quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Prédio Ilegal de S Martinho foi demolido

52 comentários:

A Verdade disse...

Sobre o Prédio ilegal de S.Martinho do Campo:
- Que fazia Alírio Canceles na hora de serviço, hoje junto ao dito prédio? Algum filme para o youtube? Reportagem para mostrar a Ferreira Leite como se fazem respeitar as leis?
- E o Presidente da Junta de Freguesia de Vila das Aves que deveria estar na Caixa Geral de Depósitos de Guimarães e também filmava. Será que o PSD vai fazer um concurso de reportagens de vídeo? Tendo como prémio a inclusão na lista de Candidatos à Câmara Municipal?

A Verdade disse...

A propósito do prédio ilegal:
Campanha de insultos e verdadeiras vergonhas é a táctica da oposição que mistura partidos, com o Presidente da Junta e o prédio ilega....

A Verdade disse...

De noite pinta-se insultando, de manhã cedo logo apareceu o reporter Carlos Valente ( Presidente da Junta de Vila das Aves) e o Presidente da Comissão Política do PSD (Alírio Canceles) a filmar e fotografar os insultos e a obra ilegal. Porque será?

A Verdade disse...

Já agora. Alírio Canceles não trabalha no Centro de Emprego? Será que o Estado lhe paga para fazer reportagens em horas de trabalho?
Ou será que no horário de trabalho faz como vai fazendo e anda a prometer empregos em Lamelas ou a distribuir o Jornal do PSD com o candidato?

A Verdade disse...

O Secretário da Junta de Freguesia, Jorge Matos, foi um dos que mais barulho fez aqundo do início da demolição acompanhado de um grupo de "capangas" que insultaram e tentaram agredir o encarregado da obra de demolição. Não aceitam as decisões legais?

A Verdade disse...

O Presidente da Assembleia de Freguesia, o que fazia por lá mandando "bocas"?

Santo Tirso Positivo disse...

Ehehe! Eles bem queriam outra, mas na falta de melhor contentam-se com as câmaras fotográfica e de filmar... Ihihi!!!

Anónimo disse...

Sim senhor, a isto chama-se eficiencia. Está tudo devidamente controlado, o que anda a oposição a fazer, quem são, onde estão. Será que temos os CIS a seguir os passos da oposição??

Santo Tirso não é Cuba disse...

Está para breve!

A Verdade disse...

O CSI deve investigar:
O que faziam João Abreu, Adelino Moreira, Alírio Canceles, Carlos Valente, Jorge Matos, etc,etc, na Quarta-Feira, pelas 18.30H, junto ao prédio ilegal no lugar da Ponte em S.M.do Campo? Estariam à esera de alguem? Ou tratava-de uma reunião do PSD Santo Tirso,Vila das e S.M.Campo com os seus militantes?

A Verdade disse...

Grande repórter, Carlos Valente, sempre em cima do acontecimento...

Ponte Velha disse...

Já agora o Presisente da Câmara, que continue com as demolições em Santo Tirso!! Porque à prédios que não respeitam o PDM, e só por Compadrio é que se mantém em pé!!!! Brevemente vou dsecarregar na Internet um dossier compremetedor, que a corrupcção ( moral ou outra?)na Câmara também existe!!!!!

Anónimo disse...

Sou Carlos Valente.

Só quero rectificar: Não estive a Filmar mas sim a FOTOGRAFAR!!!!!

Já agora fico bastante agradecido pelo PUBLICIDADE gratuita a V.Exªs, fiéis DEFENSORES...democratas.

Anónimo disse...

Já agora, vale a pena rectificar os títulos: em vez da "Verdade disse" deve dizer"Os cobardes escondem-se"

Anónimo disse...

Verdade disse?!

Tenham, VERGONHA!

A verdade virá ao de cima.

Porque não Publicar também os comentários "desfavoráveis" à Vossa "dama"?

Viva a Liberdade!

Anónimo disse...

Moderação de Comentários??

A vossa VERDADE não é mais que um "rol" de Grandes Mentiras tendenciosas!

PROCUREM E PUBLIQUEM O Nº DA LICENÇA DE CONSTRUÇÃO EMITIDA PELO ENTÃO VEREADOR DAS OBRAS, PROCUREM! Tenham um "niquinho" de VERGONHA...
VIVA A LIBERDADE!

Anónimo disse...

CURIOSO...coragem para publicar os comentários "desfavoráveis".

Anónimo disse...

QUEREM ENGANAR QUEM?
QUEM ACREDITA EM TANTOS DISPARATES? QUEM?.,.......

Continuem, continuem, SANTA IGNORÂNCIA....

Anónimo disse...

QUAL O MAIOR INSULTO QUE A PUBLICAÇÃO DE MEIAS VERDADES?.....

CSI? que é isso?

Favores?

Quem vos Paga?

Não basta parecer sério!...

Anónimo disse...

PARA QUEM SABE,a mania de fugir à realidade dos factos e querer interferir na vida profissional e particular é uma táctica já ultrapassada e considerada apenas TIROS NOS PRÓPRIOS PÉS... usado no tempo da "velha senhora"

Anónimo disse...

Comentários?!

Porque não os publicam? Apenas os comentários do "REGIME"?!!!

pois, tens razão...

Anónimo disse...

AVerdade- não passa de mais um chulo que vive do herário público, e anda a fazer de espião para o Cabeças !!!

CSI SANTO TIRSO disse...

Pedia um pouco mais de educação nos comentários. CSI Santo Tirso decidiu publicar todos estes últimos 10 comentários por 2 razões:

1ª - Desde o inicio de actividade deste blogue todos os comentários foram publicados. Todos.

2ª - Estes últimos comentários são assumidos por Carlos Valente Presidente da Junta de Vila das Aves.

nota csi:

Peço um pouco mais de educação nas palavras, podemos dizer muito mais se tivermos esse cuidado.

Caso tenha sido o Presidente da Junta de Vila das Aves a escrever estes comentários, fica aqui o lamento e uma profunda desilusão..como a determinada altura diz "Não basta parecer sério!..."..

Cumprimentos

JIADE disse...

A cidade de Santo Tirso
de pequenina tem Graça
Tem um cabeçudo na Câmara
que pôs isto na desgraça!


JIADE

C Valente disse...

Tive conhecimento de várias referências ao meu nome no vosso "A VERDADE"...misturando muitos anónimos com referências mais "jocosas".

MENTIRA vir agora "A VERDADE" dizer que "...estes últimos comentários (ANÓNIMOS) são assumidos por CARLOS VALENTE"...

Já noutras situações idênticas referi que não "perco tempo nos blogs" , não é agora que o vou fazer...

Melhores Cumprimentos

Santo Tirso não é Cuba disse...

Empréstimos da CM Santo Tirso!

Saiba tudo em http://santotirsonaoecuba.blogspot.com/

Santo Tirso Positivo disse...

Aproveito a passagem para desejar ao meu amigo e aos seus leitores Boas Festas e votos de um Natal em grande. Até breve.

Santo Tirso não é Cuba disse...

Crise? Qual crise?

Vejam tudo em: http://santotirsonaoecuba.blogspot.com/

MENINO TIRSENSE disse...

TODA A VERDADE:
opiniaodovitor.blogspot.com


TUDO AS CLARAS SEM ESTAR ESCONDIDO

Anónimo disse...

ANTI-MENINA TIRSENSE (anti-aldrabice) disse...
ÚLTIMA HORA

Mais uma empresa de Santo Tirso fechou as portas!! Uma empresa de Confecções de S. Mamede de Negrelos lançou este mês 22 funcionárias do Desemprego! Santo Tirso reforça ainda mais a liderança no desemprego a nivel Nacional!! Enquanto alguns gastam dinheiro público em ou-doors, de propaganda da banha da cobra, muita gente vai sofrendo para conseguir sobreviver!!!

8 de Janeiro de 2009 10:11

Anónimo disse...

Na REVISTA DA MISERICÓRDIA e no site da Câmara, entrevista a Castro Fernandes, com perguntas elaboradas em função do tema da próxima edição, designado
“Cidades”

1 - Na cidade de Santo Tirso confrontamo-nos recentemente com a mudança de serviços – como é o caso da
Segurança Social – e outros que se anunciam para diferentes locais da cidade. Como autarca, entende que Santo
Tirso ainda assim tem uma centralidade, ou tem antes centralidades?
A cidade de Santo Tirso tem um centro, bem identificado. Nele se concentram as
principais funções e equipamentos urbanos: a Câmara Municipal, o Tribunal, o
Hospital, as principais áreas comerciais e de lazer. Todas elas estão no centro urbano da
cidade e podem inserir-se num círculo de 500 metros de raio, distância confortável para
quem usa a cidade a pé. Por isso não poderá falar-se em diluição de centro ou
policentrismo na cidade de Santo Tirso. A cidade é agradável, possui espaços públicos
generosos, muitas praças e jardins, uma forte concentração de equipamentos públicos
nas áreas centrais, baixa densidade, o que lhe confere uma escala humana. É evidente
que não é uma grande cidade, mas possui uma dimensão e concentração de
equipamentos que lhe garante os benefícios da vida urbana sem criar os problemas das
grandes cidades.
2 - Que lugar gostaria de ver reservado para a Feira de Santo Tirso? Para a dinâmica da cidade, entende que a
manutenção da Feira no seu actual espaço é a melhor solução, ou, pelo contrário, entende que se deve encontrar
uma nova localização?
A feira está actualmente num espaço nobre da cidade. No projecto elaborado para a
requalificação do Largo da Feira, que inclui a construção de Parque de Estacionamento,
continua a estar prevista a feira no mesmo local, mas de um modo ordenado e infraestruturado.
As feiras começaram por ser manifestações espontâneas, actividades
económicas, memórias antigas que se mantiveram até aos nossos dias. Hoje sofrem um
recrudescimento muito apoiado por alguma especialização, pela melhoria dos espaços
de acolhimento e regulamentação. Deste modo e com estas características a feira
ganhará um novo aspecto mais coadunado com o local que ocupa. Não se justifica no
imediato uma nova localização para a feira de Santo Tirso., o que não invalida que no
futuro se procurem alternativas viáveis.
3 - Estão anunciados dois parques de estacionamento subterrâneos para Santo Tirso. Que importância atribui a
estas infra-estruturas no usufruto da cidade?
A construção dos parques de estacionamento público tem dois objectivos prioritários:
melhorar a oferta e ordenar os espaços de estacionamento e qualificar o espaço público.
A sua construção irá criar cerca de mais 400 novos lugares de estacionamento na área
central da cidade o que permitirá eliminar o estacionamento informal e tratar os espaços
à superfície, devolvendo-os a funções mais nobres. No caso da feira a superfície será
tratada de modo a garantir a sua utilização como espaço de feira. Nos restantes dias
continuará a ser, em parte, usado como estacionamento e terá ainda áreas públicas de
lazer e estar. O parque localizado a nascente da Câmara Municipal irá permitir a
utilização da área superior como espaço público onde se localizarão algumas áreas
destinadas a lazer e serviços que animarão o local. São por isso infra-estruturas com
muito significado para a dinamização e modernização da nossa cidade.
4 - Lê-se num azulejo colocado no Parque D. Maria II que “A vila de Stº Tirso, / de pequenina, tem graça. / Tem um
chafariz no meio, / dá beber a quem passa”. Há pessoas que entendem que estes versos reflectem bem o que a
cidade é, conferindo-lhe beleza, mas pouco progresso. Que comentário faz a esta ideia?
Dizia o Senhor Provedor da Santa Casa da Misericórdia em entrevista dada ao Jornal de
Santo Tirso no passado dia 1 de Agosto “ Considero o concelho e a cidade de Santo
Tirso em si espectacular para viver; penso mesmo que não devem existir muitas mais
cidades no país tão boas para se viver como Santo Tirso. É bonita, calma, ajardinada, é
uma cidade pacífica, não há grande calamidade.” Penso que este sentimento espelha
bem o sentimento dos tirsenses: Santo Tirso é uma cidade boa para viver. Hoje já se
começa a distinguir progresso, ou melhor desenvolvimento, de construção massiva e a
qualidade de vida deriva da conjugação de múltiplos factores. Mas é certo que Santo
Tirso, mercê da sua escala humana, da sua qualidade urbanística, dos seus excelentes
espaços verdes, tem todas as condições para ser uma cidade atractiva e boa para viver.
Não sei portanto donde se pode deduzir dos versos citados o que se conclui…
5 - Sendo a cidade um corpo vivo, que implicações tem para Santo Tirso o alargamento do seu perímetro urbano?
O alargamento do perímetro da cidade não tem efeitos de aplicação prática directa, no
entanto tem efeitos ao nível da coesão, da imagem, da dimensão e da visibilidade. É
substancialmente diferente pensar uma cidade com 17 000 habitantes ou com 30 000
habitantes. Santo Tirso com o novo perímetro terá cerca de 30 000 habitantes situação
que lhe confere uma dimensão propícia à aplicação de determinadas políticas urbanas,
que numa cidade de 12 000 habitantes não fazem sentido. Mas este não é um acto
voluntarioso: é um reconhecimento de uma identidade. Na realidade, parte do
aglomerado urbano de Santa Cristina do Couto, de São Miguel do Couto, de Burgães,
de Areias, Palmeira, Sequeirô ou da Lama são hoje indissociáveis de Santo Tirso.
Portanto este novo perímetro vem consolidar e reforçar uma situação existente dandolhe
outra abrangência e consistência.
6 - Como conciliar as mais-valias características de uma pequena cidade – que frequentemente são reconhecidas a
Santo Tirso – com os desafios impostos pelo progresso?
O conceito de progresso, por si só, é um conceito desactualizado, prefiro usar o
desenvolvimento sustentável. Sob este ponto de vista, Santo Tirso tem todas as
condições para evoluir neste sentido: as políticas urbanas implementadas ao longo dos
anos apostam na qualidade e respeito pelo ambiente, na harmonia urbanística, no
desenvolvimento económico com coesão social e na participação cívica. O processo da
Agenda 21 Local assim o concluiu. Os passos que temos dado podem não ser passos de
gigante, mas são passos seguros. Santo Tirso desenvolve-se harmoniosamente,
conjugando criação de emprego com qualidade ambiental, reconvertendo más heranças,
haja em vista o grande esforço que vem sendo feito para a despoluição do Rio Ave,
Comentário [cm1]: Cidade média
parece‐nos mais correcto. Pelo menos
assim é dentro do conceito que tem vindo
a ser usado pelos instrumentos de
planeamento nacionais e regionais.
criando condições de apoio de proximidade que favoreçam a integração e a coesão
social.
7 – No actual mandato, uma das apostas da autarquia é a requalificação do Cineteatro. Sendo certo que os
equipamentos culturais são peças chaves na animação de uma cidade, esta aposta da autarquia será concretizável
nos próximos tempos?
A reabilitação do Cine-teatro é uma das primeiras, senão a primeira prioridade da
autarquia. A Câmara lançou um concurso público internacional para escolha de um
parceiro que irá construir, entre outras, esta obra. O concurso está em fase de apreciação
de propostas e a obra iniciar-se-á em 2009. Quero no entanto alertar para o facto de esta
obra ser de grande complexidade técnica e por isso nunca poderá ter uma execução
relâmpago, sob pena de perder qualidade. Prevê-se que a sua construção dure mais de
um ano. Depois de concluído tudo faremos para que este equipamento esteja próximo
da população e constitua um verdadeiro motor no desenvolvimento das manifestações
culturais concelhias, de forma sustentável.
8 - Em tempos, e Santo Tirso é disso exemplar, foram muitos os Beneméritos que de uma forma ou de outra
contribuíram para a definição da cidade. Esse papel está actualmente apenas confinado à autarquia ou entende que
o contributo das pessoas e instituições continua a ser fundamental para o crescimento do espaço urbano?
As cidades são organismos vivos e a participação cívica é cada vez mais chamada a
intervir. Assiste-se no entanto a um paradoxo: se as pessoas e as instituições reclamam
cada vez mais intervenção na vida cívica, por outro lado, quando são convidadas a
intervir demitem-se e não aparecem. Esse foi um défice detectado pelo processo da
Agenda 21 Local. Neste processo foi feito um grande esforço de incentivo de
participação pública. Os resultados foram o que foram. Faço por isso um apelo à
participação positiva, pró-activa das pessoas e das associações.
9 - Em termos mais genéricos, e visto que existem várias IPSS no município, que importância atribui ao seu trabalho
para o desenvolvimento local?
O nosso concelho possui, neste momento, vinte e oito IPSS, para além de todas as
restantes entidades privadas que intervêm, igualmente, no campo social. Apesar da
Câmara Municipal assumir, inevitavelmente e pelas competências que lhe são atribuídas
e mesmo pelas que não lhe são atribuídas, um papel central no desenvolvimento local,
penso que o trabalho que todas desenvolvem tem-se mostrado de elevada importância
para a melhoria das condições de vida das famílias mais desfavorecidas, dado o
alargado leque das diferentes intervenções e a gestão dos diversos equipamentos sociais.
Aliás, só com um trabalho complementar e integrado entre todos é possível promover
altos índices de desenvolvimento social e caminhar para a excelência de um serviço
relativamente ao qual os seus beneficiários colocam sempre elevadas expectativas. Para
além disso, não nos podemos esquecer que as IPSS são os principais promotores da
economia social.
10 – Que comentário lhe merece o facto de no Concelho algumas IPSS serem referência em termos nacionais?
Naturalmente que só posso sentir orgulho. Como deve imaginar, esse facto enche-me de
orgulho e satisfação. Com a crescente exigência quotidiana face a uma gestão de
qualidade por parte das instituições, afirmar que uma IPSS serve de referência nacional
é, portanto, sinónimo de qualidade e isso significa que o nosso concelho está munido de
bons profissionais, quer ao nível dirigente, quer ao nível técnico. É importante que se
tenha em consideração que, fruto do trabalho das IPSS, sempre apoiadas pela Câmara
Municipal, o concelho de Santo Tirso possui, hoje, taxas de cobertura de equipamentos
sociais superiores à taxa média do distrito do Porto e superiores também à taxa média
nacional.
11 - Vários serviços na área da Saúde são neste momento dinamizados pela Santa Casa da Misericórdia de Santo
Tirso; que importância atribui à Instituição? E que contributo espera ainda da Instituição para o crescimento da
cidade e mesmo para o município de Santo Tirso?
Na qualidade de irmão, que também sou, claro que acredito e participo dos projectos
desta secular Instituição.
Na qualidade de Presidente da Câmara considero que a Santa Casa da Misericórdia tem
tido um papel relevante na área do apoio social e humanitário, aliás como lhe cabe por
missão, por nome e por tradição. A Santa Casa da Misericórdia de Santo Tirso foi, de
facto, pioneira nas áreas da saúde, sendo disso um bom exemplo o trabalho
desenvolvido no rastreio do cancro da mama. Mas também todo o trabalho na área do
apoio à terceira idade e à infância é muito relevante.
A Santa Casa de Misericórdia tem sido um parceiro privilegiado e continuará a ser,
tanto no trabalho social como enquanto possuidora de um património que marca a
cidade de Santo Tirso. Não podemos esquecer que parte do Mosteiro de São Bento, o
principal monumento da cidade e peça fundamental na sua génese é propriedade da
Santa Casa da Misericórdia.
12 - Entende que a Misericórdia tem respondido às solicitações da comunidade? Como avalia essas respostas?
Como se depreende da anterior resposta não tenho qualquer dúvida em afirmar que a
Misericórdia de Santo Tirso tem sido muito útil à sociedade tirsense. O seu trabalho tem
dimensão e qualidade, atributos que muitas das vezes são dificilmente conjugáveis.
13 – Tendo em conta o problema do desemprego no concelho, que importância atribui aos cerca de 300 postos de
trabalho da Santa Casa da Misericórdia?
Muito se fala do desemprego em Santo Tirso, mas não devemos esquecer que o
desemprego não é um problema de Santo Tirso é um problema do Vale do Ave, da
Região Norte, do país e da Europa. Por isso o executivo camarário se tem empenhado
na angariação de importantes projectos que maximizem as oportunidades e que
permitam a inclusão no mercado de trabalho de todos os desempregados. A unidade de
atendimento que a PT (Portugal Telecom) irá inaugurar em 2009 irá criar 1200 novos
postos de trabalho, mas não é só, também outras empresas de grande dimensão se tem
fixado no concelho, outras tem ampliado as suas instalações e com isso criado novos
postos de trabalho.
Como sabemos que uma das principais deficiências da região é a falta de qualificação,
tem também a Câmara Municipal nesta área tomado algumas medidas por si só ou em
parceria com outras entidades destinadas à melhoria da qualificação. São exemplos o
Centro de Novas Oportunidades, que já certificou mais de 1100 pessoas no ensino
básico e cerca de 100 no secundário e a formação em novas tecnologias dada ao abrigo
do protocolo entre a Câmara Municipal, o Citeve e a Microsoft.
É evidente que também a Misericórdia enquanto entidade empregadora é benéfica para
a resolução deste problema.
14 – Como vê a intervenção e a importância da Misericórdia face aos problemas de diferentes públicos, tais como
os de etnia cigana, terceira idade, infância e ao nível da CPCJ e da rede social?
Como eu referi anteriormente, a Misericórdia tem tido um papel preponderante nas
áreas da infância e da terceira idade, embora a sua intervenção não se limite a estas duas
áreas, o que me leva a afirmar que o restante trabalho que diariamente desenvolvem,
como é o caso da intervenção comunitária, através do Centro Comunitário de Geão, é
fundamental para a inclusão social de públicos como os de etnia cigana. Podemos,
inclusive, ir mais longe e referir que a aposta na área da violência doméstica se tem
mostrado uma retaguarda crucial para as vítimas que são acolhidas pela Casa Abrigo D.
Maria Magalhães, que se tem tornado numa referência a nível nacional. De resto, a
Misericórdia de Santo Tirso, dada a sua ampla abrangência ao nível da intervenção
social, integra sempre todos os projectos de âmbito concelhio, nomeadamente a CPCJ
(Comissão de Protecção de Crianças e Jovens), a Rede Social e o RSI (Rendimento
Social de Inserção), cuja participação se tem revelado uma mais-valia para o trabalho
em rede.

Santo Tirso não é Cuba disse...

»»Santo Tirso - Capital da Publicidade««

http://santotirsonaoecuba.blogspot.com/

Menina Tirsense disse...

Hoje nevou no centro da cidade. E ficou muito bonita a Praça 25 de Abril e algumas ruas adjacentes.

Há fotos no + Santo Tirso
http://maissantotirso.blogspot.com

Anónimo disse...

Balanço do mandato aberto sobre Educação e Ensino em Santo Tirso
Quarta, 15 de Outubro de 2008
Realizou-se no dia 13 de Outubro um Mandato Aberto dos deputados do PCP na Assembleia da República sobre Educação e Ensino no concelho de Santo Tirso, da qual constaram diversas reuniões com os Conselhos Executivos de Escolas Básicas e Secundárias e visitas às instalações.

Além de Honório Novo e Jorge Machado – deputados do PCP na Assembleia da República – participaram nesta iniciativa os deputados municipais José Alberto Ribeiro e Vera Silva, bem como outros dirigentes concelhios.

Pessoal insuficiente e em situação precária
Das várias escolas visitadas vários foram os problemas comuns, nomeadamente o número insuficiente de funcionários (auxiliares de acção educativa e/ou administrativos) com consequências no dia-a-dia das escolas, nomeadamente no défice de apoio a alunos com necessidades educativas especiais. Outro problema relacionado com os funcionários prende-se com a precariedade laboral (a maioria dos auxiliares do 1º Ciclo são precários) e com atrasos na colocação.

Há ainda um número insuficiente de professores para as actividades de enriquecimento curricular e os que existem têm um vínculo precário (recibos verdes).

Problemas infra-estruturais continuam por resolver
As duas Escolas Secundárias da cidade (D. Dinis e Tomás Pelayo) têm excesso de alunos. Este problema é particularmente sentido na Escola Secundária Tomás Pelayo, que foi projectada para ter 500 alunos e actualmente tem cerca de 2000 (1000 do “Ensino Regular” e 1000 das “Novas Oportunidades”). As obras de fundo há muito necessárias nesta escola continuam por fazer, apesar de prometidas há quase uma década.

Foi ainda constatada a existência em várias escolas com telhados e coberturas de fibrocimento que contem amianto (substância cancerígena) sem que haja qualquer plano para a sua substituição.

Os problemas infra-estruturais são muitos nas várias escolas, particularmente porque a maioria tem mais de 25 anos e nunca recebeu nenhuma intervenção de fundo. Problemas mais evidentes foram constatados em Vila das Aves onde chove no interior do pavilhão gimnodesportivo da EB2+3 e em São Martinho do Campo onde o 1º Ciclo da EBI funciona em pavilhões pré fabricados desde 1995.

Problemas sociais com reflexos na escola
O facto de Santo Tirso ser o concelho do país com maior taxa de desemprego e de ter sido alvo do encerramento de diversos serviços públicos tem agravado a situação social das famílias, com reflexos vários no meio escolar.

O aumento significativo de alunos com acção social escolar é muito sentido. As dificuldades de muitas famílias na aquisição de livros, aumentam e comprovando-se como manifestamente insuficiente o apoio entre €25 e €50 assegurado pela autarquia.

Esta situação é ainda mais grave quando se constata a existência de um número crescente de alunos cuja única refeição completa que fazem é na escola, havendo ainda outros casos que os alunos não têm condições para suportar o custo da refeição caso o apoio social não assegure a totalidade do pagamento da refeição.

A emigração foi referenciada por diversos Conselhos Executivos como sendo um fenómeno crescente que leva à desarticulação de muitas famílias e, em algumas freguesias, à diminuição do número de alunos pelo facto de acompanharem os pais emigrantes.

PCP LEVARÁ OS PROBLEMAS À ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA E À ASSEMBLEIA MUNICIPAL, EXIGINDO A SUA RESOLUÇÃO
Os deputados do PCP na Assembleia da República irão confrontar o governo, nomeadamente o Ministério da Educação, com os diversos problemas existentes, solicitando a sua rápida resolução.

O Orçamento de Estado, que em breve estará em discussão, será também alvo de atenção dos deputados, nomeadamente procurando o financiamento para a resolução de alguns destes problemas.

Ao nível municipal a CDU irá voltar a apresentar uma proposta para que sejam oferecidos os manuais escolares às crianças mais carenciadas (Escalão A) e serão exigidas medidas urgentes no plano social para fazer face às consequências dos alarmantes números de desemprego e aos problemas que lhe estão associados.

topo

Anónimo disse...

questão não se resume a um mero pedaço de terra, é bem mais grave, já que naquele espaço vai nascer, vai mesmo nascer, mesmo contra a vontade de Castro Fernandes, uma zona de acolhimento empresarial de excelência, que vai gerar centenas de postos de trabalho com reflexos positivos na Trofa e em Santo Tirso, dada a proximidade com o nosso concelho. O que pretendeu Castro Fernandes, foi travar esta iniciativa, que mostra de forma inequivoca a capacidade de empreender dos autarcas da Trofa e evidencia a incapadidade e/ou incompetência de Castro Fernandes.

Numa altura que Santo Tirso regista a maior taxa de desemprego de Portugal, e que os Tirsenses têm de procurar emprego fora do concelho (e só na Trofa, trabalham alguns milhares), Castro Fernandes mostra que está mais preocupado com questões politicos e/ou eleitoralistas do que propriamente resolver o problema dos cerca de 6.000 desempregados de Santo Tirso. Aqui se ve a diferença entre aqueles que trabalham em prol das populações e os que trabalham exclusivamente para ganhar eleições.

Assim Santo Tirso não vai lá...

Santo Tirso 2009 disse...

Caro amigo,

Acabo de deixar no meu blog uma pequena provocação a todos os tirsenses. Apelo a uma reflexão de todos sobre as autárquicas deste ano, e sobre os possíveis candidatos. Sugiro que espreite e dê o seu contributo ao debate, que promete ser interessante. Obrigado.

Saudações tirsenses.

Anónimo disse...

Castro Fernandes defende interesses dos tirsenses contra Trofa

Escrito por Isabel Moreira Pereira

O Presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Castro Fernandes, que nos últimos dias viu o seu nome envolvido numa polémica motivada por declarações proferidas pelo seu homólogo da Trofa, Bernardino Vasconcelos, numa conferência de imprensa em que foi acusado de querer “amputar” parte daquele Município, com uma providência cautelar que visa travar o Plano de Pormenor da Zona Industrial da Trofa, esclarece o seguinte:

A providência cautelar interposta no Tribunal Administrativo pela Câmara Municipal de Santo Tirso visa unicamente defender os interesses de todos os Tirsenses, tendo em conta o facto de a fronteira entre os Concelhos da Trofa e de Santo Tirso ser, desde a criação daquele Município, legalmente consumada em Novembro de 1998, uma “terra de ninguém” com centenas de metros de largura, que desde essa altura tem gerado diversos conflitos entre as duas câmaras. Castro Fernandes lamenta que, volvidos 10 anos sobre a emancipação da Trofa (constituída a partir de oito freguesias de Santo Tirso), a Assembleia da República não tenha ainda delimitado com rigor os dois Concelhos, e recorda que, há pouco mais de um ano, deu conta desse mesmo atraso, em declarações à Agência Lusa, transcritas na notícia daquele órgão de informação divulgada na passada sexta-feira.

Em causa está o atraso na delimitação territorial de Santa Cristina do Couto e da freguesia sede do Concelho, do lado de Santo Tirso, e de S. Martinho de Bougado, do lado da Trofa, e este diferendo tem levado a um extremar de posições que culminou nas acusações agora produzidas por Bernardino Vasconcelos. De facto, a Trofa reivindica terrenos localizados à direita da A3 (no sentido Porto-Braga), enquanto Santo Tirso reclama uma faixa de cerca de 800 metros de largura à esquerda da mesma auto-estrada. Na origem da discórdia está o facto de a reivindicação da Trofa incluir a actual Zona Industrial de Santo Tirso, enquanto Santo Tirso quer assegurar para o Concelho o local onde a Trofa pretende instalar a Área de Acolhimento Empresarial, à face da A3.

A primeira proposta de entendimento partiu justamente da Câmara Municipal de Santo Tirso, que admitiu traçar uma linha de divisão que corte a meio a praça das portagens e a rotunda em frente, de modo a fazer coincidir com a realidade as placas de sinalização existentes no local, que apontam Trofa para a esquerda e Santo Tirso para a direita de quem sai da A3. No entanto, os dois Concelhos não conseguiram chegar a um entendimento sobre esta matéria, pelo que continua a existir a chamada “terra de ninguém”, com o evidente risco de as revisões dos dois Planos Directores Municipais acabarem por levar à sobreposição de terrenos, já que há parcelas que pertencem a Santo Tirso, mas que se encontram registadas em S. Martinho de Bougado, que agora pertence ao Concelho da Trofa.

De resto, a legislação vigente no âmbito da criação de novos Concelhos obriga a Assembleia da República a proceder à delimitação territorial, o que, neste caso, e não obstante terem já passado 10 anos sobre a emancipação da Trofa, ainda não aconteceu. Uma situação que o Presidente da Câmara de Santo Tirso obviamente lamenta, uma vez que “traz problemas nas zonas limítrofes”, onde “por vezes não se sabe se um terreno é da Trofa ou de Santo Tirso”. De acordo com Castro Fernandes, nestas “zonas de ninguém, por causa desta indefinição, há cidadãos prejudicados e conflitos permanentes, que não têm lógica”.

Tal como há um ano, a Câmara Municipal de Santo Tirso lança um “veemente apelo” a todos os partidos com representação parlamentar, no sentido de “decidirem de uma vez por todas” a delimitação territorial entre os dois Concelhos. Castro Fernandes reitera que “o estudo para a delimitação existe e já foi enviado às duas câmaras e ao Parlamento, que tem os elementos essenciais para aprovar a lei. É uma questão de os partidos se entenderem e deliberarem”, recorda.

O Notícias da Trofa
12 Janeiro 2009 16:45

Anónimo disse...

Nova urgência abre portas esta quinta-feira
00h30m
ALEXANDRA LOPES
As novas urgências da unidade de Famalicão do Centro Hospitalar do Médio Ave começam a funcionar às oito da manhã desta quinta-feira. Com equipamentos médicos novos e novas instalações, o serviço funcionará do lado oposto ao actual.

Com um espaço totalmente novo, o serviço de urgências passa a ter uma urgência pediátrica separada do serviço destinado a adultos, o que não acontecia até agora, onde todos os utentes eram atendidos no mesmo local. Segundo o presidente do Conselho de Administração do Médio Ave, José Dias, a urgência médico-cirurgica do Centro Hospitalar do Médio Ave terá "tudo o que um serviço deste tipo necessita". Contudo, segundo adiantou, só em "Abril ou Maio"deverá ter um equipamento de TAC, estando previsto que nesta altura vá acolher também uma Viatura de Emergência Médica (VMER).

Já em relação aos recursos humanos, José Dias adiantou que devem aumentar em algumas áreas médicas e enfermagem, "de acordo com aquilo que são as necessidades de uma urgência médico-cirurgica".

O novo serviço de urgências de Famalicão era há muito reclamado, tendo sofrido diversos avanços e recuos ao longo dos anos. Agora é uma realidade. O local para as novas urgências já existia, uma vez que se trata do mesmo edifício, mas a obra foi sendo sucessivamente adiada.

A entrada em funcionamento das novas urgências levaram a que fossem feitas, pela Câmara, algumas alterações ao sentido de trânsito na área envolvente. A entrada para as novas urgências deverá ser feita pela Rua Norton de Matos, onde o trânsito circulará com sentido único (Norte/Sul) havendo outras alterações na zona envolvente.

Anónimo disse...

Iniciei em 17 de Dezembro de 2007 para agora, treze meses depois, terminar.
Primeiro com o blogue intitulado “opinião-tirsense”, deixando-o “cair”, no final do mês de Julho de 2008, após as dez mil visitas.
Incrédulo pelo número de visitantes em tão pouco espaço de tempo (sete meses), resolvi criar um outro denominando-o; “opiniaodovitor”.
Em ambos sempre exprimi minha opinião, sem recurso ou apoio de quem quer que seja, criticando publicamente as formas e métodos da gestão político-social e financeira da autarquia de Santo Tirso, nomeadamente a do presidente por o achar com um défice democrático desnecessário e megalómano na forma como pensa “Santo Tirso”.
Se o blogue intitulado “opinião-tirsense” foi um sucesso ao ser visitado, até então, por mais de dez mil pessoas, o “opiniaodovitor” ultrapassou todas as expectativas com mais de vinte e cinco mil, o que totaliza paras os dois, mais de trinta e cinco mil visitas distribuídas pelos IPs registados, que ultrapassam os cinco mil e seiscentos. O que demonstra que não foi por acaso que os meus Blogues estiveram sempre na vanguarda da listagem dos blogues de Santo Tirso.
Com os IPs registados, nomeadamente o da Câmara Municipal, dos SMAES, do Ministério da Saúde e do Ministério da Educação entre outros, acrescidos com as reacções (E-mails recebidos) tenho a certeza que o “opiniãodovitor” chegou a todos os cantos do concelho de Santo Tirso.
Sei que tudo foi feito para que eu parasse de escrever, desde as ameaças aos “conselhos” até às “cunhas”, mas nunca o fiz. Entendia que não o devia fazer.
Eu, como cidadão em geral e como tirsense em particular, tenho o direito e o dever de ter opinião e não seria por haver pressões de quem não gosta que os outros tenham opinião, que eu não devesse continuar a opinar.
Houve alturas em que não entendi a razão de tanto burburinho em volta daquilo que escrevia, sendo eu, um cidadão anónimo, sem qualquer voz activa no meio da sociedade tirsense, confundia-me tamanha preocupação, fundamentalmente advinda de quem tem voz e poder.
Mesmo depois de “aconselhado” e no meio de tanto burburinho, nunca deixar de opinar nem tão pouco escondi a minha identidade. Nunca usei pseudónimos e para que não houvesse dúvidas apresentei-me com uma fotografia recente.
Como tudo, um dia teria que findar e isso acontece precisamente com este artigo. Hoje faço a minha despedida em definitivo nesta área nomeadamente nas opiniões, na crítica e nas objecções públicas.
Durante estes trezes meses escrevi de tudo um pouco, foram cinquenta artigos, incluindo este. Publiquei as minhas ideias e pensamentos. Escrevi artigos de opinião, de informação e de desagrado pela forma como Santo Tirso foi e está a ser conduzido político-económica e social. Critiquei a postura do presidente da Câmara por pouco ou nada fazer em protecção aos serviços públicos que aos poucos desapareceram e continuam a desaparecer de Santo Tirso.
Critiquei a Câmara Municipal por não terem capacidade de parar a descaracterização irreversível do concelho.
Critiquei os nossos Edis de gastarem mais na propaganda “clubistica” que nos actos de solidariedade.
Critiquei a imprensa local por se “vender” ao poder local e fechar as portas a todos aqueles que queriam exprimir a sua opinião, fundamentalmente as contrárias às políticas praticadas por Castro Fernandes e seus pares.
Critiquei alguns investimentos por os achar inoportunos quer em tempo quer na localização.
Foram trezes meses “agarrados” ao computador a escrever para transmitir a minha opinião para todos aqueles que a quisessem ler, que pelas estatísticas que tenho associada à “conta” de suporte aos blogues, estes foram os mais visitados de todos os blogues associados a Santo Tirso, ficando à frente de qualquer outro, mesmo daqueles designados por “Câmara Municipal”
Desta forma termino um modelo de prestar um dos mais singelos e puros serviços público, a informação.
Como tudo na vida, o que se inicia um dia terá de acabar.
Termino desejando a todos um bom ano de 2009.
Até sempre.
Publicada por Vítor Lemos em 23:49 0 comentários

Anónimo disse...

A Câmara Municipal de Santo Tirso acaba de instituir o Prémio Municipal de Arquitectura e Urbanismo com o objectivo de distinguir projectos em que autenticidade e originalidade se conjuguem de forma harmoniosa com uma eficaz integração na área envolvente e com a qualidade geral dos espaços propostos. O Prémio Municipal de Arquitectura e Urbanismo de Santo Tirso, no valor de cinco mil euros, será atribuído com uma periodicidade bienal. O prazo para a apresentação de candidaturas à edição deste ano decorre até ao próximo dia 31 de Março.

Atenta ao ritmo acelerado de desenvolvimento característico das grandes cidades contemporâneas, nem sempre consonante com as cada vez mais exigentes normas ambientais e de funcionalidade, a Edilidade Tirsense pretende incentivar a qualidade arquitectónica dos projectos, enaltecendo os bons exemplos de construção, reconstrução, alteração ou ampliação de imóveis, e ainda obras de qualificação de espaços exteriores de uso público. Neste contexto, as obras premiadas deverão afirmar-se como exemplos de transformação qualitativa do contexto urbano, nomeadamente pela sua capacidade de integração na cidade e pela produção de espaços públicos qualificados. A linguagem arquitectónica e a clareza dos conceitos adoptados deverão também constituir factores de comunicação no âmbito de uma estratégia de intervenção urbana, e a qualidade final da obra deverá distinguir-se pelo cuidado demonstrado na articulação de materiais, na adopção de técnicas construtivas adequadas e na inovação tecnológica, bem como pela correcção da sua execução.

Oscilando entre as áreas da Arte e da Ciência, tantas vezes conjugando razão e sentimentos, a Arquitectura assume-se como um legado que enriquece ou degenera o contexto em que se integra, consoante as opções tomadas em cada projecto. Enquanto organismo vivo, necessariamente adaptável às várias necessidades e ambições daqueles a que se destina a fruição dos espaços, a Arquitectura contemporânea tem de obedecer a critérios de equilíbrio e sustentabilidade de que a Câmara Municipal de Santo Tirso não poderia dissociar-se. Porque a boa forma na construção deverá traduzir-se não só no bem-estar dos utentes directos de cada obra, mas na generalidade dos que com ela tomam contacto, esta Autarquia pretende reconhecer aqueles que, com iniciativa e dedicação à causa da sedimentação e da consolidação de uma cidade moderna e funcional, contribuem para que o belo seja uma razão e um fundamento do bem-estar quotidiano dos seus cidadãos. Assim, na vertente Arquitectura serão distinguidas obras de construção, reconstrução, alteração ou ampliação de edifícios que mereçam destaque pela sua qualidade arquitectónica e pelo seu carácter exemplar. Já na área do Urbanismo, serão premiadas obras de tratamento de espaços exteriores de utilização pública que mereçam esse mesmo destaque.

Regulamento e candidaturas

As candidaturas são da responsabilidade do autor, promotor ou construtor de cada projecto, que, nos prazos definidos, deverão entregar a sua proposta na Secretaria do DPH da Câmara Municipal de Santo Tirso. São admitidas a concurso obras realizadas na área geográfica do Concelho, cujo projecto de arquitectura seja da autoria de arquitectos e para as quais tenha sido, nos casos exigíveis, emitida licença de utilização nos dois anos anteriores aos da realização do concurso. Poderão igualmente ser admitidas candidaturas de obras realizadas e promovidas pela administração directa ou indirecta do Estado ou por institutos públicos, desde que os seus autores, promotores ou construtores não sejam membros e/ou consultores do júri ou seus familiares (até segundo grau, em linha directa ou colateral).

O júri do concurso será presidido pelo presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso ou por um vereador que o represente, e constituído por um arquitecto representante da Ordem dos Arquitectos (sujeito a confirmação por parte da Ordem), um arquitecto paisagista, um arquitecto municipal e três individualidades a indicar pela Autarquia, das quais pelo menos uma possua obrigatoriamente formação na área da Arquitectura.

Os projectos concorrentes deverão ser apresentados da seguinte forma:

– Um dossier A4 com um máximo de 20 páginas, contendo peças desenhadas, fotografadas e escritas que clarifiquem a solução proposta do ponto de vista conceptual e tectónico;

– Dois painéis de formato A1 que resumam a solução, cujo material base deve ser do tipo “k-line” com o mínimo de 1cm de espessura.

Cumulativamente, todas estas informações deverão ser apresentadas em formato digital, susceptível de publicação electrónica. Os projectos poderão ainda ser complementados com maquetas, que contribuirão para uma melhor compreensão das propostas apresentadas, e de uma ficha de inscrição, disponibilizada e a preencher no acto de entrega do processo de concurso na Secretaria do DPH, sendo entregue aos concorrentes um recibo comprovativo.

Prémio e menções honrosas

O montante referente a cada categoria será dividido da seguinte forma: 50% para o autor do projecto de arquitectura, 30% para o seu promotor e 20% para o construtor. Caso a qualidade das candidaturas o permita, serão atribuídas Menções Honrosas, até um máximo de quatro, sem valor pecuniário. Todos os premiados serão reconhecidos através de um diploma e da atribuição de uma placa identificativa do prémio, a colocar na fachada do edifício premiado (e que identifica o prémio, o autor, o promotor e o construtor).

Estes prémios serão atribuídos em cerimónia solene a realizar no Salão Nobre da Câmara Municipal de Santo Tirso, em data a anunciar. Terá ainda lugar uma exposição dos trabalhos propostos a concurso, com início na data da cerimónia solene em local a definir. Para além desta iniciativa, será realizada uma publicação com todos os trabalhos apresentados, em que se destacarão as obras premiadas. O concurso e as obras premiadas serão divulgados no Boletim Municipal e na página online da Câmara Municipal de Santo Tirso.

O regulamento estará também disponível em http://www.cm-stirso.pt/.

Metronews
13 de Janeiro de 2009

Santo Tirso Positivo disse...

Visita de trabalho a Rebordões: Presidente anunciou investimentos para a freguesia. Saiba tudo no SANTO TIRSO POSITIVO!

SANTO TIRSO - Toda a Verdade disse...

http://santotirsotodaaverdade.blogspot.com/2009/01/desemprego-em-santo-tirso.html

Anónimo disse...

http://santotirsotodaaverdade.blogspot.com/

Anónimo disse...

Querem saber quem é Menina Tirsense? Toca a tocar na campainha de um prédio junto ao Pavilhão Desportivo Municipal, num determinado andar que todos sabem qual é... tal é o entra e sai... e já ficam a conhecer a Menina Tirsense que tanto o incomoda a si Sr. Abreu! Mas ainda há mais... ela vai fazer um Conferência de Imprensa - aconselhada por uma empresa do Porto (ex-matosinhense) chamada Boa Impressão, mas em inglês para dar estilo!!! Eles querem comer dos dois lados!!!!Era vê-la a ela com o casalinho ontem no Vera Cruz!!!! a coisa tá feia!!!

Assino: Fifi

Anónimo disse...

UMA EXCELENTE RESPOSTA DA MENINA TIRSENSE. VEJAM AQUI:

https://www.blogger.com/comment.g?blogID=7519683016586208575&postID=849189872600885561

Santo Tirso Online disse...

Já agora visite: http://santotirsoonline.blogspot.com/ e vote na sondagem

Socialista contente disse...

Eleições para o Parlamento Europeu
JOSÉ SÓCRATES EM SANTO TIRSO
Domingo, 24 de Maio, 16h30
Praça 25 de Abril
Participe!

Anónimo disse...

Jantar de Apresentação de castro Fernandes à Câmara Municipal de Santo Tirso.
19 de Junho, 20h, num pavilhão industrial em Fontiscos!
Inscrições até 16 de Junho
geral@ps-santotirso.net
966 410 528 / 966 409 912

Anónimo disse...

http://santotirsoonline.blogspot.com/2009/06/seria-de-esperar-mais-de-joao-abreu.html

Santo Tirso Online disse...

http://santotirsoonline.blogspot.com/2009/06/sermao-de-paulo-rangel-aos-peixes.html

Santo Tirso Online disse...

http://santotirsoonline.blogspot.com/2009/06/visita-de-trabalho-vila-das-aves.html

Fábio Guedes disse...

A Escola Certa para Santo Tirso!
Veja tudo em:
http://escolhacertasantotirso.blogspot.com